Eu gostaria de começar agradecendo a Bárbara por ter dado a entrevista e contar um pouco sobre sua experiência.



Qual a sua opinião sobre a campanha Setembro Amarelo? 
R: Creio que ainda há muito a se melhorar. As campanhas são bonitinhas, mas em nada mudam a realidade de quem sofre depressão e outros sofrimentos mentais. Por vezes parece ser só mais um "tema da vez" que todos os anos são usados por empresas para fingir se importarem com a população, ganhando assim destaque nas redes sociais e veículos de comunicação. No fundo os que mais compartilham firmemente posts ou informações, que dizem "seja um bom amigo pra quem tem depressão" geralmente são aqueles mesmos que ofendem o depressivo, fazendo piadas com seus remédios, com sua condição. Eu vejo isso diariamente, no mundo físico e virtual, vindo de desconhecidos e conhecidos – sejam esses últimos, amigos ou não…

Você chegou a tentar suicídio? Como foi essa experiência? 
R: Sim. Prefiro não falar.

O que te ajuda nos momentos de crise? 
R: Qualquer coisa que me abstraia dos problemas reais, tais como ler um livro, zapear na internet, ouvir uma música, ver um filme e afins. Em último caso sair de onde estou e vagar pra outro rumo. 

Como escrever ou ler te ajuda nessa situação? 
R: Escrever faz com que eu ponha em meus personagens as dores que sinto, os medos que vivo, me livrando um pouquinho deles e tornando o fardo mais leve. Ler me desloca dos problemas pra uma pequena distração. No entanto nada disso me dá alegria, coisa que não sei sentir faz anos.

Você comentou que teve grandes problemas quando voltou a escrever, algum deles tem haver com a depressão ou experiência ruim que fizeram com você? 
R: Sim, a depressão somada a alguns episódios de ódio e intolerância/preconceito contra mim ou minha escrita me deixaram desacreditada e desmotivada

Você gostaria de deixar alguma mensagem para os nossos leitores? Pode ser até falando dos seus projetos futuros.
R: Sim. Atualmente voltei com algumas redes sociais e estou organizando outras antigas que possuo, pois em breve estarei publicando novamente minhas histórias e futuramente publicando de forma independente meus livros. Interessados podem procurar minha página Bárbara Vitória, author para mais detalhes.

Bárbara eu gostaria de fazer uma última pergunta e a mais importante, como você faz para tentar vencer a depressão? 
R: Lutando um dia por vez, acordando e tentando não pensar nela… 




Obs. da Lady: Você que está acompanhando nossas entrevista e gostaria de compartilhar conosco sua experiencia, nos chame no inbox da nossa página. 




Lembre-se: Falar é sempre a solução



Boa noite, galerinha! O que estão achando da campanha do Setembro Amarelo?
Bom, a equipe do Blog organizou um sorteio bem legal para vocês, o que acham?
E o livro sorteado é...



O que acharam? Bora participar?
Para fazer a sua inscrição é muito simples. 
Basta:
-Ser residente brasileiro
-Curtir nossa página no Facebook (www.facebook.com/mago.dos.livros/)-Seguir nosso blog (para saber como se faz, acesse: http://www.magodoslivros.com.br/2017/06/como-seguir-o-blog.html)
-Compartilhar a imagem oficial que está em nossa página no Facebook
-Marcar 3 amigos na imagem oficial

O sorteio está valendo até o dia 30/09, o resultado do mesmo sairá dia 01/10.
Em breve sairá mais um sorteio, o de 2 anos do blog, então fiquem atentos.
As postagens do Setembro Amarelo continuarão sendo feitas até o restante do mês, então fiquem de olho para não perder nenhuma em? 
#UnidosNoCombateDoSuicídio




 Não existem apenas quatro sinais, existem vários. Você tem o coração amargurado, sente inveja da felicidade alheia, não consegue perdoar e não tem fé. Isso torna sua vida ruim, mas mediante sua decisão de não fazer uma mudança ela só piora.
Você se afunda na solidão, deixa de acreditar na bondade, deixa de acreditar nas pessoas, deixa de acreditar em si mesma. Se torna retraída, irritada e está sensível e triste na maioria dos dias. Você se afasta de tudo e de todos, já não tem ânimo em sair com os amigos, você sequer acha que tem amigos. Um tempo com a família já não existe mais, você acha que eles não se importam mais com você. Já não consegue mais fazer as coisas que antes te davam prazer, as palavras já não vem a mente para você escrever, não consegue se concentrar nem para ler seu livro favorito, a música que você mais amava agora te irrita, já não tem disposição para exercícios, está sempre cansada, exausta, na verdade.
Você já não se importa, não tem vontade, não sente.
Você está anestesiada do mundo.
E, apesar dessa anestesia, isso dói.
Dói não ter mais controle de sua vida, dói estar perdida em si mesma.
Mediante toda essa dor, você só quer paz.
Há dois caminhos para dar fim a isso e, geralmente, desejamos tomar o mais fácil e o mais rápido.
O suicídio não é para tirar a vida, é para dar fim à dor.
Você começa a ser tentada pela morte.
Está confusa, não sabe o que fazer.
Você se rende.
Há um outro caminho e você não tinha percebido.
Um caminho difícil e longo de se trilhar, mas que mudaria não só a sua vida, mas a de todos a sua volta.
O caminho é Jesus.
Aceitando-o em sua vida e deixando-o entrar em seu coração.
Junto a Ele vem a Luz, porque Ele é a Luz.
Ele voltou para Deus, mas não nos deixou só, Ele nos deu um consolador, o Espírito Santo.
O Espírito nos muda aos poucos, nos traz de volta a alegria, o prazer, a paz.
Essa mudança dói no começo, contudo, ao contrário do suicídio, no caminho para Deus você nunca está sozinho.
-Alguém que quer paz.